Atuação dos Espíritos nos Lares Invigilantes

Os vampiros alcoólatras procuram intensificar as irritações, desforras e frustrações ou ciumeiras entre as criaturas emotivamente descontroladas, mas afins à bebida. 
 
Elas, então. se mostram prováveis candidatos à ignóbil função de “caneco vivo”, depois de devidamente domesticadas pela ação mediúnica dos obsessores. 
 
São preferidas as que se irritam facilmente por qualquer contrariedade ou frustração, e depois procuram afogar suas mágoas e ressentimentos na bebida.
 
 Trata-se de criaturas demasiadamente suscetíveis no amor-próprio e débeis de vontade, que se desmandam facilmente nas suas emoções intempestivas. 
 
Elas caminham ao encontro dos alcoólatras desencarnados por sendas ignoradas, desatentas à sua viciação gradativa e dirigidas por vontade oculta!
 
Os vampiros alcoólatras aliciam críticas, censuras, desentendimentos e humilhações entre os seus prováveis candidatos, quer nos locais de empregos, veículos de transportes, nas competições esportivas, casas de diversões e nos próprios lares invigilantes, cuja família rompe a cortina de fluidos protetores. 
 
Associam as coincidências mais perturbadoras nos momentos de descuido e aceleram a desarmonia íntima, tudo fazendo para intuir o desafogo na bebida. 
 
E não lhes é difícil atuar nos lares perturbados, pois é evidente que ali se chocam velhos adversários do passado, ainda rancorosos, irritados, impacientes e odiosos, cujo insulto é visível ao motivo mais frívolo! 
 
Daí, o perigo das mesas fartas de álcool nos lares desorganizados, cuja família vive espiritualmente distante entre si. 
 
Aqui, é o moço exigente, que transforma o custoso automóvel do progenitor num traço de união entre o prostíbulo e o lar; ali, a moça casadoira, caprichosa e agressiva, insulta os progenitores, frustrada e amargurada no noivado; ali, os irmãos atracam-se em luta, o caçula exigente semeia irritação e a esposa volúvel só pensa na “toilette” luxuosa e nos penduricalhos modernos. 
 
Todos, pouco a pouco, alimentam o clima enfermiço fluídico, que serve para facilitar a ação obsessiva dos vampiros à cata de “canecos vivos” para o vício do álcool.
 
Invigilante e sob a ação mefistofélica do Além-Túmulo, o chefe de casa abandona a praça de guerra do lar subversivo, encaminha-se para o bar modesto ou boate luxuosa e ali desforra-se treinando para a função prosaica e detestável de futuro alambique a outros: viciados sem corpo. 
 
Incansáveis na sua empreitada diabólica, os vampiros promovem encontros acidentais entre as criaturas desiludidas da vida e da família, as quais trocam lamúrias e queixumes, num estímulo recíproco, para a desforra na embriaguez! 
 
Magoadas e irritadas, elas mal sabem que são alunos do curso mórbido de “canecos vivos”!
 
Ramatís – do livro A VIDA HUMANA E O ESPÍRITO IMORTAL.
Anúncios
Esse post foi publicado em Artigos e marcado . Guardar link permanente.

2 respostas para Atuação dos Espíritos nos Lares Invigilantes

  1. Humberto Ribeiro disse:

    Muito interessante essa obra psicografada por Hercílio Maes do Espírito Ramatís. Ela elucida bem em detalhes todas as consequências para essa e para próxima existência daqueles que estão atados aos vícios e paixões .
    Uma outra obra também elucidativa é ” Fisiologia da Alma ” do Espírito de Ramatís.
    Acredito que se a maioria das pessoas tivessem o conhecimento acerca dos vícios e suas consequencias, das causas das doenças, da vida atribulada em família e nas relações elucidada nessas obras , as pessoas tomariam um rumo certo em sua vida.

    Abraços a todos !

Deixe-nos sua opinião, pois é muito importante para nós!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s