Psicografia: Memórias de um Exilado de Capela

Em meio ao universo infinito, brilha uma estrela tão bela.
…Foi meu lar um dia, minha querida Capela!

Imigrantes companheiros de lá partiram comigo arrastados pelo turbilhão,

Forçados a buscar nos diversos mundos testemunhos de renovação.
Lembro-me ainda de quando aqui chegamos. Havia muito desespero em face ao incompreendido.

Restava apenas a intuição vaga de um paraíso perdido.
Olhos arregalados, observando figuras primitivas da evolução.
Caminhavam entre nós sem nos dar atenção.
Uma dúvida me assombrava:
Não sabia se estava acordado ou se sonhava.
Muitas décadas se passaram entre lágrimas e lamentações.

Pareceram séculos aos nossos corações.
Contudo, eis que, em meio às trevas, a luz se fez.
Uma criatura iluminada dirigiu-nos a palavra com divina altivez.
Ressoando como um trovão,
Sua voz doce e serena fez-se ouvir em toda região.
“Meus irmãos, jamais nosso Pai condenará seus filhos ao sofrimento eterno.
É no mundo íntimo de vossas imperfeições que tem se erguido o inferno.
Exilados hoje de um paraíso, cultivai vossa esperança!
Podereis construir outro neste mundo que ainda é uma criança.
Reencarnareis em meios primitivos ajudando o
progresso.
Recapitulando vossas lições sob infalível processo.
Estarei sempre convosco; farei com que reencarnem em vossos meios os meus emissários,

Para que nunca vos falte os recursos necessários.
Descerei entre vós na posteridade,
E marcarei roteiro seguro à vossa felicidade.”
Depois de ouvir estas palavras, que nos abasteceram de esperanças,atos ocorridos em Capela, surgiram em minhas lembrança
Há muito, pessoas humildes pregavam o desterro das almas impuras:

Eu debochava – para mim eram pobres criaturas.
Falavam de um Deus de amor, pregavam a caridade e a humildade.
Meu Deus, como não pude ver a verdade?
Agora estávamos ali, como crianças em idade escolar;
Falhamos nos exames e teríamos que recomeçar.
Hoje, após milênios de minha estada neste planeta de provação,
Sinto iminente os dias de idêntica transição.
Seguindo a rota evolutiva perfeita e tão bela,
Aqui irá se repetir a mesma cena de Capela.
Mas algo se modificou: não sinto nenhum temor.
Hoje eu sou a pobre criatura falando de um Deus de amor!

(psicografia. de Nelson Moraes)

Anúncios
Esse post foi publicado em Psicografias e marcado . Guardar link permanente.

Uma resposta para Psicografia: Memórias de um Exilado de Capela

  1. Sabrina disse:

    Linda psicografia!

Deixe-nos sua opinião, pois é muito importante para nós!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s