Atividades de uma casa espírita

https://i1.wp.com/4.bp.blogspot.com/-rfkT1bzMJyI/UK6DNPVigrI/AAAAAAAAB6w/n6CAx5VvNVE/s1600/PAREDES.jpg

Atividades administrativas
“Dá conta de tua administração”. – Jesus (Lucas, 16:2)

“(…) Para se fazer algo sério, é necessário submeter-se às necessidades impostas pelos costumes da época em que se vive; essas necessidades são bem diferentes daquelas dos tempos de vida patriarcal e o próprio interesse do Espiritismo exige que se calculem os meios de ação, a fim de que o caminho não se interrompa pela metade. Façamos, portanto, os nossos cálculos, já que vivemos num século em que é necessário saber contar”. Allan Kardec (Testamento Filosófico – 1868 – O Livro dos Médiuns)


As atividades administrativas do Centro Espírita são as destinadas a atender ao seu funcionamento e manutenção, de forma compatível com a sua estrutura organizacional e com a legislação vigente, seja esta municipal estadual ou federal.
O Centro Espírita, para funcionar adequadamente, deve organizar-se de forma própria e independente, observando a maior ou menor complexidade de sua estrutura, visando desempenhar com agilidade e segurança suas atividades, de modo a bem atender aos seus objetivos doutrinários e assistenciais.
Para que se configure efetivamente a existência legal do Centro Espírita é indispensável que haja a constituição de ato jurídico formal, por meio da elaboração de Estatuto Social, aprovado, que deve ser registrado no “Cartório de Registro de Pessoas Jurídicas”, também chamado de “Cartório de Títulos e Documentos”, no “Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas – CNPJ”, e ainda a constituição de uma Diretoria.

Planejamento

Com fundamento no seu ato constitutivo (Estatuto) e atos regulamentares (Regimento Interno, regulamentos, normas) deve o Centro Espírita planejar suas ações, estabelecendo metas para as suas diversas áreas de trabalho e avaliando os resultados das atividades desenvolvidas. Para isso, deve realizar reuniões e encontros periódicos tanto da sua diretoria como dos responsáveis pelos diversos setores ou departamentos em que esteja organizado, propiciando a manutenção de uma dinâmica de trabalho compatível com os objetivos da Instituição.

Recursos

A sustentação financeira do Centro Espírita deve decorrer de contribuições espontâneas, colaborações de sócios, e outros meios de obtenção constante de recursos financeiros, observando sempre rigoroso critério ético-moral-espírita.

Independência administrativa

O Centro Espírita deve preservar a sua independência administrativa. O recebimento de doações, contribuições e subvenções, assim como a assinatura de convênios de qualquer procedência, não podem estar subordinados à aceitação de compromissos que desvirtuem ou comprometam, a qualquer título, o caráter espírita da Instituição ou que a impeçam de atender ao normal desenvolvimento de suas atividades.
Os compromissos e obrigações legais, fiscais e contábeis devem estar de acordo com a legislação vigente.
O Conselho Fiscal deve ser atuante principalmente no sentido de prevenir e corrigir práticas inadequadas que possam comprometer a integridade da Casa.
No dizer de Divaldo Pereira Franco (foto acima), em um Seminário de Preparação dos Dirigentes Espíritas realizado na Suécia: “Informou-me o Espírito Manoel Vianna de Carvalho que podemos considerar a atual proposta doutrinária do Espiritismo como pertencente a uma Empresa Divina fundada por Deus, que se lhe tornou o Presidente por Excelência. Tornou-se Jesus o Presidente Administrativo, responsável pelo programa a ser desenvolvido, a partir do momento quando trouxe a Sua Mensagem à Terra na Palestina. (…)”
“(…) Tudo nessa Empresa é de excelente qualidade, desde o seu Fundador, que é o Supremo Construtor do Universo, tendo como seu Presidente o Incomparável Mestre de Nazaré. Os seus diretores têm-lhe oferecido a própria existência física, toda vez quando convidados para o ministério na Terra; o seu Gerente viveu em função do compromisso que assumiu, deixando o mais admirável legado espiritual de que se tem notícia nos tempos modernos. Para dar continuidade, os Chefes de Setores são elegidos em razão das qualidades morais superiores, assim como os seus Agentes têm sido selecionados com cuidado, sendo a sua proposta a mais sublime de que se tem notícia e que deve ser difundida pelos que estão convidados a fazê-lo e comprometeram-se realizá-la com êxito (…)”

Estocolmo, 11 de maio de 2003

O Semeador

Anúncios
Esse post foi publicado em Artigos e marcado . Guardar link permanente.

Uma resposta para Atividades de uma casa espírita

  1. alvaro kinashi disse:

    Esta matéria é muito importante. Aliás, até sugiro que seja estendida nalguns detalhes administrativos, assim como sejam anotadas as qualificações pessoais de alguns integrantes de função específica no desenvolvimento das atividades burocráticas, legais.
    Muitos imaginam que por se tratar de Associação de Indole Religiosa, não haja necessidade de rigor na contabilidade e registros das atividades – ledo engano. Faço menção especial ao Conselho Fiscal, cuja responsabilidade é solidária à da Diretoria nos recebimentos, pagamentos, crimes …
    Que Deus continue a iluminá-los.
    Um forte abraço.
    alvaro

Deixe-nos sua opinião, pois é muito importante para nós!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s