Breves comentários sobre a mediunidade com Jesus

A todos os homens de coração brando, que o Cordeiro de Deus se faça presente.

A todos que despertaram do tenebroso sono espiritual, que a paz do Senhor ilumine seu regresso ao aprisco divino.

Mediunidade é convite. É escolha; é o retorno do filho pródigo à casa do Pai. Se ele escutar a voz interior, o retorno será por caminho seguro e familiar, caso contrário, as pedras irão ensinar o medianeiro a cuidar de sua jornada.

Todos nós, aí e mesmo aqui, devemos escutar as impressões e as palavras que nos são sopradas na alma, porque elas refletem quem somos e aqueles que nos acompanham. Se tais palavras traduzem dor e revolta, devemos escutá-las como um alerta de nossa natureza interior conturbada, gritando através de nossos irmãos desencarnados, clamando-nos o exercício das verdades evangélicas.

Quando essas palavras carregam luz, que passemos a escutá-las e cumpri-las com dedicação, sob pena de afastarmos aqueles que mais nos amam e que endossaram o nosso crescimento como filhos de Deus.

Não esperem homenagens e discursos em sua jornada. A incompreensão é a marca da humanidade atual, quase sempre irresponsável e zombeteira, mesclada com intolerância. O que fez Jesus, o Cristo, para merecer o madeiro? Ele pregou o amor e foi pregado na cruz por intransigência de pessoas que, verdadeiramente, não sabiam as implicações de seus atos.

O caminhar da mediunidade com Jesus é sentido todos os dias, na alegria sincera com as pequenas coisas da vida, no sorriso aberto para o mundo e, acima de tudo, na vontade e determinação de seguir em frente.

Problemas sempre surgirão e apontam o nosso aprimoramento, mas não se refugiem em fortalezas intransponíveis. Todo aquele que vive acastelado, morre para o mundo e expurga de sua existência as influências dos espíritos mais presentes em nossas vidas, os encarnados amigos.

Mediunidade, amor e fé…

Que o Cordeiro de Deus e Nossa Mãe Santíssima nos cubram com a luz da compreensão no exercício das faculdades que Deles recebemos por misericórdia e compaixão de nossa pequenez.

Autor: Frei Tomás
Médium: Elerson Gaetti
data: 30 de dezembro de 2012
parte de livro sobre a obra de André Luiz

 

Anúncios
Esse post foi publicado em Artigos. Bookmark o link permanente.

Deixe-nos sua opinião, pois é muito importante para nós!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s