BIOFÓTONS NA INTERAÇÃO ENTRE O ESPÍRITO E O CORPO FÍSICO

Os seres vivos são considerados como sistemas abertos, pois permanentemente trocam matéria e energia com o ambiente para sustentar a condição vital. No entanto, um fluxo ordenado de comandos é necessário para manter tal intercâmbio. A informação necessária à vida chega aos organismos em forma de luz codificada – os biofótons, de forma a possibilitar a definição e controle de estruturas e processos biológicos. O prefixo bio foi atribuído aos fótons que são emitidos por fontes biológicas.

Os biofótons possuem a mesma natureza de um feixe laser e podem ser observados na faixa que vai do vermelho ao ultravioleta. Eles são emitidos por todas as células vivas, constituindo uma rede dinâmica de interações holográficas a possibilitar que cada célula possua informação imediata sobre o que qualquer outra célula do organismo esteja fazendo. Um único biofóton é capaz de ativar 1 trilhão de reações por segundo em cada célula, enquanto a média é apenas de cem mil reações por segundo.

O médico russo Alexander G. Gurwitsch descobriu os biofótons nos anos 20. Os seus estudos, esquecidos, foram resgatados pelo biofísico alemão Fritz-Albert Popp na década de 70, ao elaborar as bases teóricas e desenvolver experimentos significativos que demonstraram a primazia da atuação do campo biofotônico sobre moléculas e átomos nos processos de integração e comunicação celulares.

Vale ressaltar que a vida na Terra só é possível porque a energia e a informação veiculadas pelos fótons emitidos pelo Sol são introduzidas na base da cadeia alimentar através das reações de fotossíntese. A partir desse nível inicial, os biofótons processam, de uma maneira quântica, a informação e a energia relacionadas à própria essência dos fenômenos vitais, em todas as espécies de seres viventes.

O corpo humano é formado por aproximadamente 75 trilhões de células, cujas ações precisam ser coordenadas em seus aspectos temporais e espaciais para desenvolver atividades fisiológicas adequadas e precisas. O alto grau de ordem e complexidade necessárias à integração de todos esses processos celulares simultâneos não pode ser obtido apenas através do encontro fortuito – favorável – de átomos e moléculas entre si, como propõe o entendimento científico atual. Há a necessidade de um nível hierárquico superior, representado por um campo composto por biofótons, a especificar com detalhes quando, onde e em que sequência as reações bioquímicas vão ocorrer, estabelecendo bases correntes para o funcionamento das células e do organismo como um todo.

Ideias científicas de ponta consideram o campo de biofótons somente em sua interação simultânea e recíproca com o ambiente atômico/molecular existente no interior das células. Esse é o nível máximo visto como coordenação de todas as ações fisiológicas. No entanto, a experiência mediúnica e o corpo teórico que nos é trazido pela dimensão espiritual impõem uma hipótese mais ampla, que também contemple a possível atuação do referido campo na transmissão de informação do Espírito à matéria, em processo complementar à referida coordenação funcional, exercida apenas no plano mais denso.

O campo biofotônico, por possuir natureza Laser e, portanto, ser base de fenômenos holográficos, apresenta todos os parâmetros eletromagnéticos necessários e suficientes para capacitá-lo a sustentar o permanente fluxo de informações entre o Espírito e a matéria.

Mais especificamente, sua ação ocorre justamente na interface que possibilita a comunicação recíproca entre o perispírito e o corpo físico.

Assim, os biofótons podem ser considerados como os agentes que veiculam informações vitais vindas do Espírito para organizar o corpo físico e seu funcionamento. Complementar e simultaneamente, eles conduzem de volta ao Espírito elementos sobre a condição do estado fisiológico instantâneo do organismo, em retroalimentação, consequentemente também informando sobre as funções e estados desarmônicos que sempre se formam ao longo da existência, quer sejam de natureza física, emocional ou mental. E todo o processo acontece em tempo real, considerando que a velocidade de deslocamento da ‘Luz da Vida’ é a dos biofótons que a compõem.

Rafael Melsert é médico e trabalhador espírita (RJ)

Bibliografia básica:

Bajpai, R.P. (2000). Implications of biophotons and their coherent nature. In: Beloussov,
L., Popp, F.A., Voeikov, V. & van Wijk, R. (Eds.), Biophotonics and coherent systems. Proceedings of the 2nd Alexander Gurwitsch Conference and Additional Contributions, 135-140. Moscow: Moscow University Press.
Beloussov, L.V. & Popp, F.A. (Eds.) (2003). Integrative biophysics. Dordrecht: Kluwer Academic Publishers.
Ho, M.W., Popp F.A. & Warnke, U. (Eds.) (1994). Bioelectrodynamics and biocommunication. Singapore: World Scientifi c Publishing. Popp, F.A. (2000). Some features of biophotons and their interpretation in terms of coherent states. In: Beloussov, L., Popp, F.A.,
Voeikov, V. & van Wijk, R. (Eds.), Biophotonics and coherent systems. Proceedings of the 2nd Alexander Gurwitsch Conference and Additional Contributions, 117-133. Moscow: Moscow University Press.
Tiller, W.A. (2007). Psychenergetic science: a second copernican-scale revolution. Pavior Publishing, Walnut Creek, California.

JANEIRO 2012 R e v i s t a Cultura Espírita – Nº 34 – ANO IV – janeiro 2012

Anúncios
Esse post foi publicado em Artigos. Bookmark o link permanente.

Deixe-nos sua opinião, pois é muito importante para nós!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s