A Arte de Renunciar – Wilson Focassio

A ARTE DE RENUNCIAR

Quando encarnamos trazemos uma tendência que, por afinidade, nos levará ao encontro de pessoas cujos valores se assemelham com os da gente. É o tal “os afins se atraem”. Dizem que o homem nasceu para uma determinada mulher, isso, porém, poderá ser um pouco precipitado, uma vez que para cada tipo existirão centenas de almas afins e não, necessariamente aquela única.

A aproximação fará com que as pessoas se conheçam num determinado grau vibratório. No início se respeitam como se usassem máscaras, que o passar dos tempos, pela freqüente convivência vão dando lugar a uma confiança e intimidade maior, logo, aquele par já não é mais o mesmo que se conheceu há tempos atrás.

 

Às vezes o relacionamento melhora muito, mas é comum, também, em certos casos, que ele se deteriore e o casal.

Passa a se estranhar amargamente. Se a ligação do casal está na esfera de reabilitação em conjunto, ai se deve iniciar o treinamento da renúncia. Essa renúncia se encontra em todos os níveis até com os filhos, uma vez que também chegará a hora da separação por casamento ou mesmo separação para os estudos em cidade longe do domicílio dos pais.

Nessa ocasião, também, a renúncia e providencial. Jesus renunciou muito, principalmente quando não quis assumir o poder político temporal quando da sua entrada triunfal em Jerusalém. Jesus, em outras oportunidades, vivenciou a renúncia, quando deixou o aconchego do seu lar para pregar o Evangelho. Ele renunciava todas as vezes que podia vencer, e, cedia a vez para que o próximo crescesse. Embora a renúncia seja uma arte ela é acessível a qualquer pessoa bem intencionada.

Ser gentil, dar preferência a alguém no transporte coletivo são renuncias que experimentamos. Alguns acham impossível renunciar, mas se fizerem um balanço de suas próprias vidas verão que no reduto dos seus lares, por diversas vezes, já fizeram esse treinamento. É quando deixam os filhos ganharem numa partida de cartas de baralho, ou mesmo, quando facilitam, para que o filho marque um gol quando o pai é o goleiro. O pai, na ânsia de ver seu filho feliz, facilita para que ele ganhe. Isso é um tipo de renúncia. É só pegar esses simples exemplos e exercitá-los fora de casa.

O ciúme, a inveja, a usura, o egoísmo, são os maiores entraves para a renúncia. Vamos perseguir a reforma intima para que esses defeitos se neutralizem dentro da gente. Com isso estaremos dando passos largos para nossa própria liberdade. Renúncia é a maior arma que o ser humano possui nas mãos. Exercitá-la é no mínimo ser inteligente. “A competição é uma conduta que só há perdedores”.

Wilson Focassio (São José do Rio Preto/SP) Um dos Fundadores da Aliança Espírita Evangélica, 30 anos como voluntário do C.V.V. Centro de Valorização da Vida. Fundador e

Diretor do D.E.D.E.R. Centro de Estudos e Difusão do Espiritismo Religioso – C.E.D.E.R.focassio@hotmail.com

 

Anúncios
Esse post foi publicado em Artigos. Bookmark o link permanente.

Deixe-nos sua opinião, pois é muito importante para nós!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s