O Templo da Alma

 

Na contemplação da Natureza, sempre encontramos a paz, na observação de detalhes que chamam nossa atenção, quando nos dispomos a entender as dádivas da vida em tudo o que nos cerca…  Olhando o horizonte azulado, neste entardecer de luzes e cores, numa renovação constante, demonstrando-nos que nada é estático na Natureza e que este dinamismo sublime exemplifica para todos nós o incessante apelo às mudanças benéficas ao nosso crescimento espiritual.

Prosseguir sempre, encorajados pela fé e pelo conhecimento espírita, mesmo que a dor ou a enfermidade nos limitem as possibilidades de avançar com a mesma intrepidez que desejaríamos.  O importante é não permitir que o sofrimento nos intimide ou a dificuldade perturbe nossa compreensão das leis divinas para assim podermos continuar vivenciando o amor e exercitando o perdão sempre que causas externas e humanas dificultarem nossa caminhada.

Na mesma proporção que buscamos o entendimento maior dentro de nós mesmos, não retendo mágoas nem desenganos, auferindo nossos valores morais através das lutas e das dores aflitivas, começamos a compreender melhor os outros companheiros de nossa jornada redentora, a entender com mais ampla acuidade o que nos cerca, o meio em que vivemos, e notamos com maior interesse a beleza do mundo, quando a Natureza se apresenta aos nossos olhos tão intensamente bela, convidando-nos a reflexões mais profundas e à gratidão a Deus.

Quantas vezes nos quedamos em cismares e dúvidas ante o futuro que nos aguarda?  Quantas vezes, ainda, deixamos o desalento se apossar de nossas almas?

Não é fácil, bem o sei, manter a coragem e a fé perante a dor que vergasta nossa alma, turvando nossos pensamentos e impedindo-nos de discernir, de manter a lucidez…

Mesmo assim, lutando contra o pessimismo e a descrença, que são ácidos corrosivos da alma, teremos que buscar na prece a força para prosseguir e nos manter atuantes no bem, sem o que nossa dor será maior e mais sentida.

Ninguém poderá nos dar esta compreensão maior senão nós mesmos.  Se já temos a bênção do entendimento das leis divinas, sustentados pela fé, buscaremos no templo de nossa alma as luzes que nos clarificam o Espírito e suavizam nossos sentimentos mais íntimos.

Não nos importa a solidão imposta pelos que não caminham conosco, paralisados pela ingratidão e receosos de participarem de nossa vidas em momentos assim de dores e dificuldades…  Eles caminham mais lentamente ou se deixaram ficar no vale das incertezas e das paixões fugazes.

Quando identificamos os valores da alma e somos enriquecidos por esta compreensão maior, podemos adentrar com mais facilidade os recônditos de nosso ser, iluminados pela fé e alimentados pelo trabalho no bem, sempre dispostos a ajudar e a compreender as fragilidades humanas, porque já nos avaliamos com sinceridade e sabemos de nossas imperfeições morais e dificuldades interiores.

Por isso sofremos, choramos e nos debatemos ante as perdas e as dores do caminho…  Entretanto, não nos detemos mais.

Em belíssima mensagem, Emmanuel nos ensina:

A solidão com o serviço aos semelhantes gera a grandeza.

A rocha que sustenta a planície costuma viver isolada e o Sol que alimenta o mundo brilha sozinho.

Não te canses de aprender a ciência da elevação.

Sempre que leio esta página do nobre Benfeitor, a qual se chama “Solidão”, fico pensando na grandeza deste Espírito que nos legou mensagens tão significativas, tão oportunas, que nos acompanham desde longos anos, sem perder sua valiosa ajuda, como suporte e orientação em nossas vidas.  E aprender a ciência da elevação, como nos recomenda, acredito ser, para todos nós espíritas – Espíritos Imperfeitos e Devedores – o exercício constante do amor e do perdão nas lutas de cada dia, no enfrentamento dos problemas que nos afligem, na caridade do esquecimento de nossas dores para aliviar a dos que chegam até nós sedentos de paz, aflitos e cansados, por desconhecerem o que já amealhamos em contato com a riqueza da Doutrina Espírita.

Por ser pouco conhecida e ainda menos entendida, infelizmente, pela maioria dos homens, é dever nosso prosseguir estudando seu conteúdo e exemplificando os valores com que ela nos beneficia, para assim enriquecermos cada vez mais o templo de nossa alma, nosso refúgio sagrado, onde nos reabastecemos através da prece e dos sentimentos enobrecidos, conquistados na exemplificação do amor e da caridade.

Neste recanto sublime, encontraremos a paz e o convite de Jesus, que fala ao nosso coração, dulcificando-nos as nossas emoções.  Um sentimento profundo de gratidão nos envolve o ser.  Podemos, então, repetir com o apóstolo Paulo:  “ […] o amor de Cristo nos constrange […]” (2 Coríntios, 5:14).

Quando Jesus adentra o santuário de nossa alma, tudo se transforma em nosso interior e em torno de nossas vidas, porque os valores se modificam, a visão se nos alarga, e mesmo sofrendo as injunções expiatórias, mesmo trazendo as imperfeições morais de que ainda somos portadores, sabemos que estamos caminhando na direção dele, confiantes em que estamos buscando a transformação moral para sanear nossa consciência e ampliar nossa sensibilidade ante a grandeza da vida imperecível.

Autor:  Lucy Dias Ramos

Revista Reformador (Federação Espírita Brasileira)

Revista de Espiritismo Cristão

Ano:  217 – Nº:  2.158 – Janeiro de 2009

Páginas:  34 à 35

Livros (Referências):

XAVIER, Francisco Cândido – Fonte Viva – Pelo Espírito Emmanuel –

36ª Edição – 1ª reimpressão – Capítulo 70 – Federação Espírita Brasileira (FEB) – Rio de Janeiro – 2008.

Anúncios
Esse post foi publicado em Psicografias. Bookmark o link permanente.

Deixe-nos sua opinião, pois é muito importante para nós!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s