O PODER DO PASSE

*Enoque Alves Rodrigues

Com a eficácia dos mais potentes analgésicos encontrados na medicina convencional, que curam ou aliviam as dores do corpo físico, o passe magnético, quando aplicado em consonância com os critérios básicos vigentes na Doutrina Espírita, funciona como verdadeiro balsamo, aliviando, sobremaneira, as dores por que passam o Espírito. Mas assim como os remédios existentes na medicina convencional, os passes magnéticos, por vezes não surtem os efeitos desejados. Isso quando não ocorrem “efeitos colaterais”, que se verificam, na maioria das vezes com os “hipocondríacos do espírito” que são aqueles irmãos que ao confrontar-se com qualquer pequeno problema, tomam passes sem critério algum ou necessidade, desprovidos de qualquer diagnóstico que os indicasse, na tentativa, frustrada, de se livrarem de suas atribulações.

É o mesmo processo físico por que passa um Cidadão que ao sentir uma dor qualquer, ao invés de dirigir-se ao Médico, para se consultar diagnosticar as causas e origens da dor, e, no final, obter uma receita para adquirir o remédio na Farmácia mais próxima, pula as etapas primeiras, partindo para a automedicação. Cola o umbigo no balcão e, como se nenhuma responsabilidade tivesse sobre o veiculo físico que lhe foi dado o dever de conduzir, zelar e cuidar vai logo falando para o Farmacêutico: “olá, parceiro, solta ai um remédio pra dor que a cabeça tá tinindo!” Ora, se você não souber qual é a origem de sua dor de cabeça, dificilmente o Farmacêutico vai acertar com o remédio, até porque ele não tem a obrigação de adivinhar o que você sente. E como nem você, tampouco ele, são Médicos, os riscos de você não conseguir se curar e, o mais perigoso, de você vir a se intoxicar, por uso de remédios inadequados, são muito grandes. Viu como é exatamente igual?

Vejamos, agora, exemplos e cuidados que devemos tomar quando nossas dores se referirem ao Espírito.

Primeiro devo ressaltar que o bom Espírita antes de tudo é aquele que enfrenta com paciência, perseverança e resignação, os contratempos e intempéries que surgem, naturalmente, em seu caminho. Não podemos, sob pena de negligenciarmos com a oportunidade que nos foi dada de evoluirmos, atribuirmos “as dores da alma”, fatos comezinhos com os quais teríamos, em tese, de estarmos acostumados e assim familiarizados com sua solução. Não devemos ser como os comodistas que jogam nos ombros do sobrenatural tudo aquilo que lhes dizem respeito, mas que lhes parece de difícil solução. Sejamos, portanto, sensatos no momento de separarmos o que é realmente dor para a qual desejamos solicitar aos bons espíritos colaborarem com o alívio através do passe, daquelas que não passam de simples contratempos rotineiros. Não tomemos o precioso tempo dos bons Espíritos com coisas supérfluas e insignificantes. Lembrando que os Espíritos em missão no Orbe Terrestre nem sempre estão à nossa disposição. Principalmente, para serem interpelados a solucionarem temas corriqueiros. Por isso, não vamos banalizar nossos pedidos de intervenção para que os bons espíritos se atentem ao nosso clamor e nos atendam quando necessário.

Quando se dirigir a algum Centro Espírita ou Federação em busca da solução para as aflições que lhe atormentam, lá chegando, passe primeiro pelo Setor de Triagens onde depois de você fazer o seu relato aos Seareiros ou Consultores, receberá deles uma tarjeta (cartão) onde se encontram registradas as datas e quantidades de vezes que você deverá retornar para dar sequência ao tratamento. Uma das recomendações é a de que você só se deve ir à Sala de Passes após assistir as Palestras que em média duram de 15 a 20 minutos. As palestras na verdade, são preparatórios do seu Espírito para que a força e vibração do passe que você irá tomar façam os efeitos necessários e desejados. Todas as vezes que você retornar terá que passar primeiro pela Sala de Palestras, onde irão picotar a sua tarjeta. Há casos em que além de lhe recomendarem as palestras e os passes, lhe recomendam, também, a leitura do Evangelho no Lar. Isso é muito bom, pois, se você não tem por costume realizar diariamente a leitura do Evangelho em sua casa, acabará por adquirir esse hábito saudável. É importante que você saiba que a partir do momento em que você colocou os pés no Centro Espírita ou na Federação, os Espíritos, incontinente, já começaram a agir, e interceder a seu favor. Por isso, esteja lá por inteiro. De corpo e Alma. Esqueça-se, durante o tempo em que lá estiver, de seu dia a dia, de todas as suas atividades. Desligue celulares. Focalize e sintonize seus pensamentos nas vibrações que emanam dos Espíritos em trânsito naquele ambiente. Se você está em busca de resultados você terá que fazer a sua parte. Terá que colaborar consigo mesmo.

Quando você sair da Sala de Palestras e entrar na fila do passe, não se envolva com pensamentos ou conversas paralelas. Mesmo que algum companheiro, inadvertido, assim se comporte, finja não ouvi-lo. Caso se dirija a você, fale-lhe que naquele momento você está impedido de lhe dar atenção. Que você não pode conversar com ele na fila do passe. Que depois de saírem da sala do passe, caso ele queira, vocês poderão conversar à vontade, de preferência no cafezinho. Mas registre sua negativa com educação, respeito, cordialidade e principalmente, com ternura e amor fraternal. Não seja ríspido.

Ao entrar na Sala de Passes, antes de você se sentar, coloque no local que lá se encontra, a sua espera, todos os seus pertences. Somente depois de fazê-lo é que você deve se sentar. Ao sentar-se, feche os olhos. Ao ouvir do Médium Passista “pensemos em Jesus!” Pense no Divino Mestre com todas as suas forças. Não fique observando o que se encontra ao seu redor. Tudo, absolutamente tudo, que ali, naquele momento estiver próximo de você, desde os Médiuns até os móveis ou qualquer objeto, estão magnetizados. São energizados por correntes e vibrações espirituais poderosas, acredite. Quando o Médium finalizar o seu passe e pronunciar “Graças a Deus” abra seus olhos e repita “Graças a Deus” ou então, “Assim seja”.

Geralmente os Médiuns transmitem o passe magnético sem apor as mãos, ou seja, sem que você sinta o calor das mãos do espirito lhe tocando. Isso, entretanto, nada tem a ver com o resultado. Há Médiuns que tocam outros não. Se durante a aplicação e recebimento do passe, algum irmão, que estiver a sua volta, ao recebê-lo demonstrar algum sinal de desequilíbrio, não se assuste. Mantenha-se calmo e compenetrado. Nunca disperse o seu momento de concentração. São fatores naturais que em nada devem abalar aos que buscam a fé raciocinada da Terceira Revelação.

Se mesmo assim, depois de você ter feito tudo direitinho, no final do tratamento espiritual, você achar que não obteve os resultados desejados, não se envergonhe. Retorne aos companheiros do Setor de Triagem e informe-lhes. Eles certamente irão realizar analises e no final, após reexaminarem seu caso, redireciona-lo da melhor maneira possível. O importante é você não desistir do tratamento depois de tê-lo iniciado. Se você realmente fizer a sua parte conforme lhes designaram, esteja certo que nada falhará. É “tiro e queda!”.

Fraternal abraço.

*Espírita e Escritor

Anúncios
Esse post foi publicado em Artigos. Bookmark o link permanente.

Uma resposta para O PODER DO PASSE

  1. dercil disse:

    Gostei do muito do texto. está claro, muito bem explicado. Contribuiu na minha fala em uma palestra realizada para os frequentadores de um centro espírita.

Deixe-nos sua opinião, pois é muito importante para nós!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s